RN perde R$ 670 milhões por ano por não reciclar 98% do lixo

Imagem: Reprodução

No dia 05 de Junho é comemorado o dia Mundial do Meio Ambiente e a semana que antecede é chamada de Semana do Meio Ambiente, onde ações e relatórios de conscientização acontecem.

O Sindicato das Indústrias de Reciclagem e Descartáveis do Estado (SindRecicla-RN), através do seu presidente, o empresário Etelvino Patrício de Medeiros, divulgou dados referente ao lixo que não vem sendo reciclado no RN, resultando em uma perda de R$ 670 milhões por ano, com 98% do lixo.

O Sindicato ainda informa que hoje opera com 65% da sua capacidade, ou seja, maiores condições de receber bem mais recicláveis. Com esse déficit, além do prejuízo em receita, o Estado ainda perde aproximadamente 15 mil gerações de emprego.

De acordo com Etelvino, os prejuízos da não reciclagem são ambientais, sociais, econômicos e de saúde pública. E esse desempenho ruim do que acontece no Rio Grande do Norte, é reflexo do que vem acontecendo em todo o Brasil.

Os números mostram que no RN apenas 2% do lixo é reciclado, e no Brasil esse número chega apenas a 3%. E com o período de pandemia, as pessoas estão mais em casa e o lixo doméstico aumenta, o que torna a mudança desse quadro mais urgente. Para o presidente, isso só é possível com uma mobilização social em favor da reciclagem, com a conscientização das pessoas e com ações do poder público para informar e orientar. Um exemplo disso são campanhas educativas.

O SindRecicla tem hoje 33 associados, que recebem diversos tipos de materiais como papelão, plásticos, metais e resíduos da construção civil. Esses produtos são enviados para outros estados, chegando até a outros Países. E muitas coisas que não tem mais serventia se transformam, são reutilizados e viram boas e novas perspectivas.